De dia para dia, em tudo e por tudo, VOU CADA VEZ MELHOR!!!

De dia para dia, em tudo e por tudo, VOU CADA VEZ MELHOR!!!

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

O INICIO: ACUMULADORES DE ORGONE


A História do surgimento dos Orgonites

Nos anos 1930 a 1957 o cientista Wilhelm Reich descobriu o Orgone e conseguiu construir acumuladores de orgone que concentravam o Orgone recolhido.

Ele descobriu a existência de dois tipos de Orgone, o negativo que ele chamava de “DOR” “Deadly Orgone” e o positivo ,”POR” para “Positive Orgone”.

Wilhelm Reich foi o primeiro cientista a não só provar a existência do orgone/bioenergia, mas também descobriu a capacidade de acumular esta com camadas alternantes de material orgânico e metálico. Os acumuladores de orgônio (energia vital) que Reich construía potencializavam a energia local, fosse ela boa (chamada POR) ou ruim (chamada DOR), enquanto que os geradores de orgônio em forma de orgonites transformam toda energia em positiva. Se ela vem positiva é mantida, se ela vem negativa, é transformada em positiva.



A INOVAÇÃO: TRANSFORMADORES DE ORGONE

Nos anos 90 vários cientistas continuaram a desenvolver as descobertas de Wilhelm Reich. Entre outros Karl Welz e Don e Carla Croft que independentemente um do outro, descobriram uma fórmula básica e simples, baseada em uma matriz de material carbo-orgânico com diferentes metais que foi cunhada Orgonite em reverência aos trabalhos de Wilhelm Reich. Depois que Don e Carla Croft publicaram seus resultados em 2001 e convidaram outros a experimentar esse material fantástico, formou-se um movimento de pesquisadores no mundo inteiro, confirmando os resultados e continuando a desenvolver suas aplicações práticas até hoje.


(do site: liberteseparaafelicidade.com.br)

Orgonites – Protetores da Vida


ORGONITE, O QUE É ISTO?

O Orgonite é um dispositivo que acumula a energia que está ao seu redor e a transforma em energia positiva, beneficiando tudo e todos a sua volta.

Ele é geralmente utilizado para harmonizar e melhorar a energia dos ambientes, principalmente para proteger contra a poluição eletromagnética (colocando-o em cima de televisões, computadores, ou perto de torres de celular, por exemplo), mas também pode ser ultilizado em meditações, para energizar alimentos, plantas e muito mais.

Trabalha em todo espaço ao seu redor, funcionando pela sua simples presença. Seu uso pode ser contínuo sem necessidade de “limpeza”.

A energia harmonizada produzida nesta transformação, parece ter um efeito benéfico tanto para os seres vivos mas também em alimentos e plantas, que aparentam ser capazes de assimilar esta energia facilmente.
Composição

Os orgonites são produzidos a partir de três componentes básicos: um orgânico (que atrai a energia), um metálico (que reflete/conduz) e no mínimo um cristal (que modula/transmuta).

O elemento orgânico geralmente usado é a resina. Os metais podem ser variados, costuma-se usar limalhas (particulas de metal) de alumínio, cobre, aço, ferro, latão e bronze.

Opcionalmente, são utilizadas pedras de poder, preciosas e semi-preciosas. Algumas outras substâncias podem ser adicionadas a mistura para torná-la mais potente ou mais especializada para diferentes aplicações.




PORQUÊ UTILIZAR ORGONITES?


Cada dia enfrentamos inimigos invisíveis, silenciosos e inodoros que estressam as células do nosso corpo de uma forma nociva, nos enfraquecendo pouco a pouco até que finalmente se manifesta no nosso ponto mais fraco, como uma doença. Estes são: ondas eletromagnéticas emitidas por computadores, tv, celulares, torres de comunicação, microondas, etc.

As ondas eletromagnéticas artificiais, emitidas por muitos dispositivos tecnológicos ao nosso redor, produzem fortes campos de energia que destoam dos campos eletromagnéticos encontrado na natureza, criando um desequilíbrio maléfico para todos os seres vivos ao seu redor e promovendo a doença.


Efeitos dos Telefones Celulares

Imagem 1 – Temperatura da cabeça depois de 15 min de ligação



Imagem 2 – Radiação craniana pelo uso do telefone celular



COMO AJUDAM

- Proteção e harmonização da casa e ambientes  
- Vitalização da água
- Proteção e harmonização pessoal  
- Vitalização de alimentos
- Neutralização de computadores e aparelhos eletrodomésticos  
- Vitalização de plantas
- Proteção de animais domésticos  
- Ajudando a regeneração do corpo durante o sono
-  Neutralização de fontes EM fortes como torres, transformadores etc.  
- Aplicação terapêutica


São inúmeros os benefícios constatados e relatados por pessoas que utilizam orgonites em suas casas, no trabalho, etc. Alguns desses benefícios são:
Absorção de toda energia desequilibrada que entra no seu raio de ação e harmonizando esta;
Purificação da atmosfera, despoluição de águas, melhora na aridez;
Diminui os efeitos nocivos das radiações eletromagnéticas;
Sono mais profundo;
Maior crescimento e vitalidade em plantas utilizando menos água;
Sabor mais suave na água e alimentos;
Repelente de pragas;
Desarma e repele formas de vida predatórias;
Inspira um comportamento agradável e equilibrado;
Frequentemente cura insônia e pesadelos crônicos;
Maior relaxamento e energia vital;
Harmonização dos chakras de bloqueios energéticos
Ajuda a acordar as suas capacidades psíquicas inatas.



(do site: liberteseparaafelicidade.com.br)

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

REINO ELEMENTAL DO AR ou REINO DAS FADAS




Fadas, Seres Etéreos que carregam a energia e a magia do ar em suas asas.

Habitantes do mundo invisível aos olhos humanos, vivem num mundo e universo próprios, com suas leis, filosofia, objetivos e modo de vida totalmente particular. São como espíritos que possuem ligação direta com os elementos da natureza.


Essas criaturas são por isso, chamadas de espíritos da natureza, uma vez que elas vivem em contato permanente com a fauna e flora, as quais têm a missão de defender.

Elemental significa "Espírito Divino". Estes são os espíritos da natureza.

Sua definição de seres elementais deriva-se do princípio de que os quatro elementos da natureza, descritos na antiguidade: Terra, Água, Ar e Fogo, possuíam, em verdade, duas naturezas: a "física", ou seja, a natureza passível de avaliação pelos sentidos e a outra, a "espiritual", relativa à essência dos elementos.

As fadas são uma criação elemental da evolução do ar. 


sobre as Fadas escreve Mirella Faur: 


"... 

O termo fada (hada em castelhano, fée em francês, fay, fae, fairie ou faery em inglês) deriva do fatum ou fata em latim, que significava o destino (determinado pelas Deusas conhecidas como Parcas, Moiras ou Nornes) ou designava um espírito guardião. Poucas pessoas sabem que “o povo das fadas” é remanescente dos primitivos povos pré-celtas, que habitavam as Ilhas Britânicas desde a Idade de Bronze, sendo descendentes dos míticos Tuatha de Danann, o “Povo da deusa Danu”, vencidos pelos Milesianos, eles mesmos tendo conquistado a Irlanda após vencerem os primeiros colonizadores- Fir Bolg.

À medida da mudança das crenças religiosas e espirituais, os Tuatha de Danann se afastaram cada vez mais da dimensão material, pois eles não mais recebiam a nutrição e sustentação da sua egrégora pelo reconhecimento e a gratidão dos seres humanos perante os seus dons.

Para se protegerem da violência das guerras – sendo eles seres pacíficos – se retiraram para outra dimensão, sutil, a ilha mágica Tyr na n’Og , “A terra debaixo das águas”, situada no Oeste da Irlanda e invisível aos homens. Uma parte deles aí permaneceu e se refugiou nas montanhas, colinas, florestas e grutas, sendo conhecidos como “O velho povo, Os bons vizinhos, O povo das colinas” (chamado em gaélico de Sidhe).




A comprovação deste fato encontra-se na crença comum entre as diversas nações celtas sobre a existência de uma raça de seres sutis, obrigada pelas tribos invasoras a se retirar para o “Outro mundo”, descrito como uma dimensão subterrânea, dentro das colinas ou câmaras mortuárias neolíticas (burial chamber) ou que tinham ido “além-mar”.

Os sidhe eram formados por vários grupos ou ordens, distintas umas das outras, mas que funcionavam como uma coletividade. As terras ocupadas pelos seres feéricos foram chamadas de Fairyland, “a terra das fadas” e seus caminhos e trilhas, imbuídos de energia mágica e telúrica, ficaram conhecidos como ley lines, as linhas de energia da terra, sobre as quais não deviam ser construídas edificações humanas sob o perigo de eclodirem acontecimentos estranhos ou perniciosos à saúde. Os locais sagrados dos Sidhe eram marcados por círculos de pedras ou de cogumelos e deviam ser respeitados e evitados pelos seres humanos. A sua atividade comum era a criação de um gado malhado, que pastoreavam com a ajuda de grandes cães brancos com orelhas vermelha s (Cwn Annwn) ou os “Cães dos montes”.

No nível mágico, os Sidhe conheciam e manipulavam os poderes dos elementos e por isso, com o passar do tempo e o esquecimento da sua verdadeira origem e poder, eles foram reduzidos às figuras elementais dos silfos, salamandras, duendes, gnomos, ondinas, nereides (em função do elemento em que habitavam ou regiam). Nos contos de fadas lhes foi atribuído o papel de “fadas madrinhas”, as conselheiras e protetoras individuais.

Aos poucos, as fadas ficaram restritas ao folclore anglo-saxão e celta, conhecidas como protetoras e guardiãs das árvores, flores ou jardins, confundindo-se depois com outras entidades sobrenaturais e, às vezes, sendo consideradas magas e feiticeiras. Foram descritos muitos tipos, desde as belas fadas das flores, árvores, lagos e rios, os simpáticos gnomos protetores das moradias, até as entidades perigosas com dentes pontiagudos e garras afiadas.

Presentes em todas as formas e manifestações da natureza, as fadas fizeram parte das lendas e do folclore de vários países, mas nenhum povo como o irlandês conseguiu captar, conhecer e compreender tão bem os Fays, provavelmente por serem seus descendentes. O mundo feérico das fadas ainda vive nas crenças e rituais dos camponeses da Irlanda, País de Gales, Escócia, Inglaterra e Bretanha e conta-se que vários mortais tiveram contato com o povo das fadas, aprendendo delas a arte da poesia, música, dança, metalurgia, tecelagem, magia e cura.

A Irlanda até hoje é habitada por duas raças: a visível, dos celtas, e a invisível dos Sidhe, mas que podia ser vista e “visitada” pelos clarividentes e magos. As divindades mais conhecidas, consideradas o Rei e a Rainha das Fadas são a deusa Aine (pronuncia-se ‘oine’), a regente da fertilidade, cujo festival era no dia anterior ao solstício de verão e o deus Gwynn Ap Nudd (pronuncia-se ‘guin ap niid’), o “Senhor do Outro Mundo”. De acordo com as lendas, a Rainha das Fadas oferecia o “galho de cristal”, para mortais dignos deste privilégio, garantindo-lhes passagem e estadia agradável no seu reino.




Existem inúmeras lendas e contos de fada – em todas as nações – descrevendo de maneira romantizada a outrora relação amistosa entre humanos e o povo das fadas, que auxiliava nas tarefas domésticas em troca de moradia, comida (frutas, pão, bolo, mel doces, leite e derivados) e de objetos brilhantes. Elas podiam ser vistas cantando e dançando em círculo nas noites de lua cheia e, ao amanhecer, o local onde tinham dançado aparecia como um círculo de grama verde luminosa ou formado por cogumelos.

Mas, se um homem, atraído pelos seus cantos e beleza entrasse na sua dança, era feito prisioneiro e obrigado a dançar com elas até a exaustão. Acreditava-se que o “anel das fadas” era o portal para o seu mundo e a pessoa que nele entrasse, perdia a noção do tempo e ficava preso se elas fechassem o portal. A única forma de escapar era levar consigo um pedaço de ferro, metal a que tinham aversão.




Como os fays tiveram que se retirar para o “outro mundo” devido à perseguição dos invasores, eles não gostavam do contato com os humanos por não confiar neles; por isso podiam ser perigosos ao se defenderem, se sentissem alguma ameaça para o seu reino ou habitantes. Eles não dependem dos humanos e nem os procuram, a maioria é indiferente, alguns poucos se preocupam com as pessoas e querem ajudar, quando costumam deixar um presente ”fairy gift ou fairy gold”, que podia ser desde pepitas de ouro até algum dom especial, desde que fossem preenchidas determinadas condições de comportamento e obrigações (não prejudicar animais, nem destruir a natureza).

São comuns as histórias de changeling, ou seja, a troca de um bebê humano recém-nascido e sadio por um dos seus filhos, que estivesse doente ou deformado. O poder comum às fadas era o glamour, ou seja, a capacidade de assumir qualquer forma para aparecer aos seres humanos, ou ficar invisíveis. As fadas não são as figuras diáfanas, boazinhas e bonitinhas como vemos nas estatuetas, desenhos e figuras das lojas esotéricas; na realidade elas não são boas, nem más, não são nossos anjos de guarda, nem estão à nossa disposição nos fazendo favores. Se fossem maltratadas, elas se vingavam afetando as colheitas, extraviando objetos, prejudicando o preparo das conservas e alimentos, assustando animais, provocando efeitos atmosféricos.


Porém, mesmo enganando as pessoas com brincadeiras e histórias confusas, as fadas não mentem, nem castigam crianças, idosos e mulheres; elas cooperam conosco se for do interesse delas e se soubermos conquistar sua confiança. Alguns seres feéricos podem ser hostis aos humanos, principalmente se tiverem sido violentos ou movidos pela cobiça, destruindo seus hábitats naturais, as jazidas de minérios e cristais ou cortando suas árvores sagradas.

Os antigos povos celtas concebiam a vida existindo em três níveis distintos, integrados e presentes em cada ser: o mundo físico, o mental e o espiritual. A verdadeira evolução do espírito só podia ser alcançada quando fosse encontrada a harmonia entre corpo, mente e espírito. Ao perceber estes mundos entrelaçados, fica mais fácil para compreendermos o conceito do “outro mundo”, a dimensão onde vive o povo feérico, como um plano existindo dentro e fora de nós, pois o espírito não habita apenas em planossuperiores, mas em tudo e no Todo. Realizando esta mudança de compreensão e ampliando nossa percepção, podemos entrar em contato com os Sidhe.

Os Tuatha De Dannan (“O povo da deusa Danu”) eram associados com vários ”outros mundos” além de Tyr na n’Og (“a terra da eterna juventude”), como Mag Mel (“a planície agradável”), Emain Ablaach (“a terra prometida” ou “A Ilha das mulheres”) e Avalach, a “Ilha das Maçãs”, conhecida nos mitos como Avalon. No folclore havia a crença de que as flechas de granito remanescentes da Idade de Pedra teriam sido as flechas usadas pelas fadas para se protegerem dos intrusos e que ocasionavam o temido elf shot (crise de ciática ou lumbago).

O medo das fadas das armas de ferro devia-se ao seu uso pelos invasores, enquanto os povos nativos possuíam apenas as pedras e por isso foram facilmente vencidos. As roupagens verdes das fadas seriam um meio para se fundirem com a natureza e escaparem do extermínio pelos invasores melhor equipados. ..."


SAIBA AGORA COMO CONECTAR-SE AS FADAS MONTANDO SEU PRÓPRIO ALTAR: 


Vai uma dica bem interessante que a página Da Magia à Sedução (http://www.facebook.com/bruxariawiccan) compartilhou, aproveitando este momento de reconexão com os elementais, Criemos nosso altar das Fadas!!



Seu altar de fada deve conter três coisas principais:


1. Um lugar para fazer ofertas de fadas tipo moedas, pedras, utensílios pequenos, etc;




2. Uma representação de um dos quatro elementos de fadas para descansar, uma pedra, bacia de água pequena e sempre limpa, ou a vela, por exemplo;




3. Uma representação de fadas propriamente ditas, tais como plantas que pertencem a elas, vidrinhos de perfumes, estátuas ou imagens em miniaturas.




Estes elementos estando no lugar do altar, sendo que você foi bem criativo, plantas com flores, pedrinhas de vidro brilhante, superfícies refletoras (fadas gostam de olhar para si próprias), uma vela, gotas de óleo essencial, cristais, plumas e purpurina, as conchas, cascas e galhos…








Hora de inaugurar: 




Acenda a vela e diga;

“Amadas e Belas Fadas,

Sejam Bem Vindas,

Eu acredito em Fadas,

E com respeito as tratarei!”




Lembre-se de redecorar sempre este altar.













FELIZ MAGIA DAS FADAS! Que as bençãos do elemento ar preencha sua vida!




;)











segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

***AS DIMENSÕES E A EXPANSÃO DA CONSCIÊNCIA***



Uma dimensão ou um universo, é apenas uma faixa vibratória da existência. Quanto mais AMOR e "conhecimento" , mais se expande a consciência e se aumenta a vibração. Mais leve se torna o ser até chegar no estado de amor incondicional ou felicidade absoluta e "mais próximo" de se fundir com o "Todo" que é puro amor.



quarta-feira, 7 de agosto de 2013

CRIANDO SEU ALTAR DAS FADAS








Vai uma dica bem interessante que a página Da Magia à Sedução (http://www.facebook.com/bruxariawiccan) compartilhou, aproveitando este momento de reconexão com os elementais, Criemos nosso altar das Fadas!!




Seu altar de fada deve conter três coisas principais:

 1. Um lugar para fazer ofertas de fadas tipo moedas, pedras, utensílios pequenos, etc;

2. Uma representação de um dos quatro elementos de fadas para descansar, uma pedra, bacia de água pequena e sempre limpa, ou a vela, por exemplo;

3. Uma representação de fadas propriamente ditas, tais como plantas que pertencem a elas, vidrinhos de perfumes, estátuas ou imagens em miniaturas.

Estes elementos estando no lugar do altar, sendo que você foi bem criativo, plantas com flores, pedrinhas de vidro brilhante, superfícies refletoras (fadas gostam de olhar para si próprias), uma vela, gotas de óleo essencial, cristais, plumas e purpurina, as conchas, cascas e galhos…

Hora de inaugurar:                                                          

Acenda a vela e diga;
“Amadas e Belas Fadas,
Tragam para conhecer seu Lar,
Djin e Titânia.
Sejam Bem Vindas,
Eu acredito em Fadas,
E com respeito as tratarei!”

Com o tempo você vai descobrindo se será uma ou mais fadas visitantes, e lembre-se de redecorar sempre este altar.


DICA "PARA FRENTE É QUE SE ANDA!"

DICA "PARA FRENTE É QUE SE ANDA!"

...

...
ENQUANTO MEUS OLHOS ESTIVEREM ABERTOS, EU VOU SONHAR!!!

Mystique Arte em ação:

* Exposição na Feira de Artesanato de Santo André/SP - O evento se realiza às sextas e aos sábados das 9:00 às 15:30, na Praça do Carmo-Santo André.

* Amuletos/Talismãs Artesanais Exclusivos com: pedras brasileiras, símbolos, pantáculos, medalhas protetoras de várias egrégoras e culturas espirituais.

* Instrumentos mágicos artesanais exclusivos: Mandalas, Varinhas, Incensários, Filtro dos Sonhos, Livro das Sombras e muito mais.

* Mapa Astrológico: Análise de Nascimento e Projeção Anual, para as áreas profissional e pessoal.

* Consultoria e Mapa Numerológico: estudo profundo dos números relacionados a nossa vida e previsões anuais.

* Indicações de banhos energéticos com plantas e cristais, de acordo com cada necessidade.

Contato:

mystiquearte@yahoo.com.br

Fernanda Mística

A LOJA VIRTUAL ESTÁ ABERTA: www.mystiquearte.elo7.com.br

A LOJA VIRTUAL ESTÁ ABERTA: www.mystiquearte.elo7.com.br
CLIQUE NA IMAGEM E VISITE NOSSA LOJA!